Curiosidades de Casamento

O Vestido de Noiva

Você sabia que a cor branca do vestido de noiva só foi popularizada no século XVII, na Inglaterra, através da rainha Vitória em sua união com o primo, o príncipe Albert. Um fato curioso deste casamento foi que a noiva que pediu o noivo em casamento, pois naquela época não era permitido fazer um pedido desses a uma rainha, então, ela não teve outra alternativa, a não ser pedir o príncipe em casamento.

E esta moda da cor branca no vestido de noiva lançada por ela permanece até os dias atuais. Antes disso, especialmente na Idade Média, não havia cor específica para a cerimônia; a cor mais usada era o vermelho. O vestido branco acabou sendo o preferido, por simbolizar a castidade e a pureza.

Na Grécia e em Roma, existem relatos de que as pessoas usavam roupas brancas em celebrações importantes, como o nascimento e o casamento.

• Vai escolher seu vestido de noiva? Veja aqui mais informações sobre o vestido de casamento.

O Buquê de Noiva

Para os antigos gregos e romanos, o buquê de noiva era formado por uma mistura de alho e ervas ou grãos. Esperava-se que o alho afastasse espíritos maus e as ervas ou grãos garantissem uma união frutífera.

Na antiga Polônia, acreditava-se que, colocando açúcar no buquê da noiva, seu temperamento se manteria "doce".

Diz também a tradição que a mulher solteira que pegar o buquê da noiva, será a próxima a se casar.

O Anel de Noivado

O primeiro anel de noivado de que se tem notícia foi aquele dado pelo Rei da Alemanha, Maximiliano I, a Maria de Burgundy em 1477.

Até o século XIII não havia aliança de noivado ou compromisso. O Papa Inocente III declarou que deveria haver um período de espera que deveria ser observado entre o pedido de casamento e a realização da cerimônia matrimonial.

É por isso que hoje se tem o costume de usar um anel de noivado e depois a aliança de casamento.

A Aliança de Casamento

"Aliança" siginifica compromisso, pacto, união.

Na Sagrada Escritura, o relacionamento de Deus com os homens aparece repetidamente em termos de aliança do latim foedus, também conhecido como bérith em hebraico e diathéke em grego.

Acredita-se que uso de alianças no terceiro dedo da mão esquerda no casamento servia para selar o matrimônio e vem da tradição cristã, do século XI, em que acreditava-se que nesse dedo havia uma veia que ia direto ao coração.